(Análise) Mayones Queilux

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

(Análise) Mayones Queilux

Mensagem por kouros em Qui Out 09 2014, 18:03

Como prometido, segue então o processo de composição desta música.

Ideias e processo criativo

Quando criamos algo, não interessa apenas decidirmos o que vamos fazer. Neste caso, comecei precisamente por fixar uma ideia base do que eu NÃO queria fazer: tocar acordes emcima da 2ª metade. Porquê? Porque eles já lá estão e isso iria engrossar demasiado o som e criar confusão sonora a nível da mistura.

Em seguida pensei, "quero ter algo na 1ª parte que vá ligar a esta segunda parte". Solução: Criar uma melodia/riff com base nos acordes da segunda parte mas SEM que esses acordes estejam claramente presentes. Resultado: O riff de baixo saltitão cheio de síncope que surge logo após a intro.

A fase seguinte foi criar a intro. Apenas pensei "algo que tenha como fundamento as duas últimas notas do riff de baixo (D e Eb) mas que tenha outra tónica de base". Solução: A tónica da intro é D, o que torna essas duas últimas notas numa tónica (4ª do riff seguinte) e numa 2b (5ª diminuta do riff seguinte), o que proporciona aquele clima meio misterioso do início.


Com estas duas primeiras partes tão contrastantes (intro arrastada - riff de baixo saltitão), decidi então criar mais uma parte diferente para proporcionar ao ouvinte a sensação de "se a música até agora já mudou 3 vezes, deve continuar a mudar daqui para a frente". Após o estabelecimento desta expectativa para o ouvinte, quebrei-a através de uma segunda parte bastante uniforme em que só no final temos o tal riff de baixo saltitão para nos relembrar que ainda estamos na mesma música e para dar uma sensação de "voltar a casa".

Na 2ª parte, como os acordes já lá estavam e eu achei que seria entediante estar 2 minutos a tocar sobre os mesmos dois acordes, utilizei o baixo para definir novos acordes aproveitando as notas que já la estavam. Temos por isso o Cmaj e o Ebmaj mas temos também o Amin7 e o Cmin7 para apimentar a coisa até à tensão final que criei através do baixo em E e em Eb até explodir no tal riff saltitão de baixo que já conhecíamos.


Como eu não podia alterar a bateria da base, acrescentei sons com transiente bem definido e editei-os de forma a que o exacto momento do impacto fica-se alinhado com as partes que eu iria acentuar na bateria caso a pudesse alterar, dando então um enfâse e uma potência sonora a certas transições.


E é isto. Espero que não tenha sido muito maçudo com teorias e pensamentos.

Estejam à vontade para colocar questões.
avatar
kouros
Guitar GOD

Post Count : 3066
Idade : 34
Localização : Alverca
Guitarra : Sim
Data de inscrição : 13/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum